sexta-feira, 14 de abril de 2017

 BOMBA NO TIMÃO

Nesta semana as delações dos grandes executivos da Odebrecht estão monopolizando o noticiário do país, e não é para menos.
Revelações sobre a real condição do processo político no país estão vindo à tona. Toda a trambicagem, toda a roubalheira, todos os acordos espúrios estão recebendo os merecidos holofotes.
E uma delação em especial diz respeito ao Sport Club Corinthians Paulista: a do ex-presidente da construtora, o príncipe Marcelo Odebrecht.
Marcelo contou em detalhes como foi que começou a ideia da construção da Arena Corinthians, de quem foi a ideia, como as partes se entenderam, como foram os acordos, quem patrocinou, quem pagou o que, etc.
Vamos resumir para aqueles que não viram/ouviram:
O ex-presidente Lula, em 2010, pediu a seu “amigo” Emilio Odebrecht, patriarca da empresa, um estádio para o Timão.
A obra na ocasião foi orçada entre R$300 e $400 milhões. Era um estádio para 30 mil pessoas. O Corinthians pagaria este empréstimo com a renda dos jogos.
Com as brigas políticas entre o então presidente da CBF Ricardo Teixeira e o ex-mandatário do SPFC Juvenal Juvêncio, a FIFA queria tirar a Copa de 2014 do estádio do Morumbi.
Foi sugerido então que o estádio a ser construído para o Corinthians sediasse a abertura da Copa, para a cidade de São Paulo não ficar fora do evento.
Aí entra o evento mais importante da delação!
Uma reunião na casa do príncipe Marcelo Odebrecht, com as ilustres presenças de:
Andres Sanches, Luis Paulo Rosemberg e Ronaldo Fenômeno (??!!) representando o Corinthians;
Gilberto Kassab, então prefeito de São Paulo;
Geraldo Alckmin, governador do Estado de São Paulo;
Luciano Coutinho, então presidente do BNDES.
Todos os presentes concordaram em ajudar na construção do estádio, que para abrigar a abertura da Copa teria que aumentar seu orçamento de R$300 milhões (ideia inicial) para R$1 bilhão.
Kassab sugeriu a ideia dos CIDs (R$400 milhões), Alckmin assumiu as obras no entorno do estádio. A prefeitura ainda assumiu a dívida das arquibancadas provisórias.
Ponto importante: segundo a delação de Marcelo, o Corinthians nunca prometeu pagar mais que os R$300 a R$400 milhões iniciais!
O restante foi assumido pelas outras partes presentes.
Não foi o que aconteceu. A prefeitura não vendeu os CIDs, não pagou as arquibancadas provisórias, a Odebrecht acabou assumindo todas as dívidas e o Corinthians está tendo que pagar mais de UM BILHÃO pela Arena.
Que sejam responsabilizados TODOS os presentes ao evento. Mas que o Sport Club Corinthians Paulista, entidade, não pague (nos dois sentidos) pelo que não assumiu.
Veja mais em: Arena Corinthians.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

NOSSO NOVO SITE WWW.TRANSCONTINENTALPOP.COM  E BREVE  ATE SEXTA FEIRA  13 DE MAIO  2017 NO AR "